Cachete - S. M. Antigamente, no Nordeste do Brasil, era assim que se chamava qualquer comprimido para dor.

terça-feira, 22 de setembro de 2015

Elite Carioca: Do Ocaso ao Apogeu...

video



Opinião dO Cachete:
A Ângela Moss foi de muita coragem ao se expor e dar este depoimento após a divulgação deste vídeo. Todos cometemos erros. Desculpar-se e reconhecê-los e digno! 

quarta-feira, 9 de setembro de 2015

Michel Zaidan: O convite de Vossa Excelência

Michel Zaidan
Professor
Tive a súbita honra de receber, nesta manhã, em minha residência, um jovem e simpático oficial de Justiça convidando-me para uma audiência na 7a Vara da Justiça Criminal de Pernambuco, com o Excelentíssimo Senhor Governador do estado, o sr. Paulo Henrique Saraiva Câmara.

O lacônico e singelo documento, assinado por uma servidor da Justiça chamado Elisan da Silva Francisco, não menciona o assunto. Apenas marca a hora, o dia e o lugar do encontro.

E uma advertência “em se tratando da parte, o não comparecimento da mesma implica na presunção de culpa perante os fatos contra ela alegados (art.343, 1o e 2o do CPC).

Deve ser um privilégio do cargo (não só a celeridade do rito de inculpação), mas o poder de convocar uma pessoa a “prestar depoimento pessoal”, sob assunto não mencionado, sob pena da presunção confessada dos fatos contra si alegados.

Que fatos?

Que denúncias?

Que crimes?

Onde fica a presunção de inocência? O devido processo legal? O direito do contraditório….quando o litigante é o governador do estado?

Por quê Vossa Excelência não teve a gentileza de declinar as razões de tão honroso convite?

– Teria sido, por acaso, pela publicação no Blog de Jamildo de um pedido de explicação sobre as denúncias da Polícia Federal de superfaturamento e favorecimento a uma empresa construtora, por ocasião da contratação das obras da Arena Pernambuco, na operação Fair Play?

Gostaria de dizer que não fui denunciado pela PF nessa operação. Não tenho ligações com a Construtora Odebrecht, não fui beneficiado pelo favoritismo da “concorrência”. Não sou servidor público estadual e nem tenho negócios com o estado.

SOU PROFESSOR TITULAR DA UFPE, e não moro na Várzea.

Na breve convivência com a “entourage” do ex-governador, seja nas reuniões de Boa Viagem, seja em sua mansão do Sítio dos Pintos, ou na Pousada de Olinda, não tive o prazer de conhecer o digno mandatário.

Tive sim com o prefeito Geraldo Júlio, na Assembléia Legislativa. Para mim, é frustrante ser convidado por ele, sem saber exatamente de que se trata.

Candidamente, o portador do convite perguntou se era proibido fazer crítica às autoridades públicas em nosso estado. Ou se o estado tinha dono. Pura inocência, a dele!

Um mandatário popular (prefeito, governador, presidente) recebe uma autorização pelo voto para tomar decisões políticas e administrativas, respeitando os comandos constitucionais e as demais leis do país e do estado. Ele, portanto, deve satisfação aos seus representados.

Não pode prometer uma coisa e fazer outra. Ou seja, um auditor de contas, transformado em secretário da Fazenda e eleito governador, não pode simplesmente alegar o desconhecimento de fatos graves, como o “rombo” de 8.000.000.000 nas contas estaduais, atender às exigências de pagamento da Arena Pernambuco (40.000.000) e dizer que não tem dinheiro para a educação, a saúde, a segurança pública, o esgotamento sanitário, o poder judiciário etc.

E colocar a culpa no governo federal ou no ajuste fiscal ou na lei de responsabilidade fiscal ou na crise mundial ou seja lá no que for.

É como se praticasse um estelionato eleitoral para com os eleitores, aproveitando a comoção pública pela morte do seu patrono político.

Como dizia o outro, quem não tem competência, não se estabelece.

O que não dá é para o povo de Pernambuco aguentar as consequências desse descalabro administrativo, pela eleição de um gestor que pressupunha um chefe ou um comandante que desapareceu. E agora Jose? Para onde?

Aqueles que confiaram o seu voto e mesmo os que não confiaram o seu ao atual governador do Estado têm todo o direito de saber o que aconteceu com as contas públicas de Pernambuco e qual a relação da política e dos políticos pernambucanos com as denúncias publicizadas com a delação premiada dos réus da Operação Lava Jato, da construção da Refinaria Abreu e Lima e, agora, da Arena Pernambuco.

É sobre esses assuntos que o governador quer conversar?

OUTRO LADO:

O Blog de Jamildo entrou em contato com a assessoria do governador, que declarou que não vai se pronunciar sobre o assunto.

segunda-feira, 7 de setembro de 2015

Marise Morais: Do Ódio à Mulher ao Ódio ao País

Marise Morais
Psicóloga Clínica
Abrindo as páginas da rede e lendo os comentários de uma rede social, fiquei sabendo que um cantor popular cujos sucessos são vintenários (um a cada vinte anos) na festa denominada Brazilian Day em Nova Iorque teria usado palavrões para referir-se á presidenta do Brasil. Ainda no mesmo momento teria debochado do ex-presidente Luis Inácio –Lula – referindo-se á sua deficiência física. O que esperar? Alguma surpresa? Certamente que não.
O senhor em questão sempre foi reconhecido por pautar suas relações afetivas (?) em pequenos escândalos de casamentos que são reconhecidos pela sua fragilidade. Alguns desses casamentos terminaram inclusive com cenas de violência doméstica.
Um outro escândalo também envolveu o senescente cantor quando pôs em dúvida a educação e a proteção de sua filha por sua ex-mulher que é uma atriz reconhecida pelo seu talento tanto quanto pelos seus valores familiares, chegando a ventilar possível abuso sexual da jovem que à época era menor de idade. O tempo provou o contrário.
Comportando-se sempre como um adolescente desajustado, o artista apresentou-se algumas vezes em shows onde parecia drogado ou embriagado, muitas vezes precisando abandonar o palco por falta de condições para finalizar o evento.
Assim de escândalo em escândalo a carreira desse senhor entra em franca decadência.
Visto de forma grosseira, o astro parece ser alguém que faz sucesso com as mulheres, no entanto, o que podemos observar é exatamente o contrário.
Incapaz de permanecer em uma relação afetiva duradoura, o ídolo decadente sempre demonstrou a sua instabilidade emocional, imaturidade afetiva e por fim o deu ódio contra a figura feminina, não poupando sequer a própria filha do seu desamor. Pai desajustado de muitos filhos, alguns abandonados afetivamente por esse ser infanto-senescente.
Misógino (aquele que odeia a mulher), o presente senhor é apenas uma figura empobrecida do que relata em suas musicas que falam de amor. Mas falar de amor não é sentir amor. Falar sobre algo é como ver um cartão postal de uma cidade e achar que pode conhecê-la e dominar seus caminhos com facilidade. Afinal ver Paris nas imagens de sites de busca e rotas não ensina ninguém a conhecer a cidade ou falar francês. Isso é o que é esse senhor.
Ora, se um homem é capaz de dirigir-se a uma senhora com palavras ofensivas, (não importando quem seja essa senhora) imagine o que não reserva para as mulheres que tiveram o dissabor de relacionar-se com ele entre quatro paredes.
O pior de tudo, esse senhor foi convidado para representar o Brasil em um show comemorativo da sua data maior na maior cidade do mundo. Cabia a ele saber comportar-se com cidadania e educação. Poderia até feito seu protesto se está insatisfeito politicamente, mas usar de palavrões em público é inaceitável.
Acostumado a deslizar de leito em leito e sendo expurgado por cada mulher que cruzou seu caminho, o ídolo demonstra a sua misoginia em cada gesto. Ódio à mãe? Seria apelar para uma psicanálise selvagem na tentativa de analisar os propósitos inconscientes deste senhor. No entanto não podemos deixar de observar que ele ofende e maltrata cada mulher que o acompanha, não poupando sequer a própria filha. Por que faria diferente com a mulher mais poderosa do país? 
Esse senhor deveria procurar analisar um pouco sua vida para poder tentar salvar o pouco de dignidade que lhe resta, Uma análise lhe cairia bem. Mas certas psicopatias não se prestam â analise por pura incapacidade de auto reflexão e insigth.
Imaturo, sexista, preconceituoso e desequilibrado, o ídolo de barro tomba sobre a fragilidade da sua própria mentalidade, despreparado para conviver com as mulheres, os diferentes e os que não refletem a imagem que ele pensa que possui. Como Narciso, o mito, irá afogar-se em suas próprias mágoas ou em líquidos estocados barris de carvalho.
Marise Morais – psicóloga clínica

sexta-feira, 4 de setembro de 2015

Brasileiros e sua busca pelo Inferno

O Inferno

O Brasileiro nunca conheceu o Céu! Mas já conheceu o inferno! Nos últimos 12 anos recebeu um indulto e passou para o Purgatório... Bem melhor que o Inferno! O calor diminuiu. Mas, só foi aumentar um pouco a quantidade de chibatadas no Purgatório que ele passou a sentir saudades do Inferno. Parece ser a famosa Síndrome de Estocolmo! Saudades do que foi ruim.
Lembro dos "Anos Perdidos" de FHC. Altas taxas de juros, crise elétrica (alguém lembra da tabela de kWh??); filas enormes de desempregados brigando por uma vaga para "qualquer coisa"; faltavam universidades, escolas técnicas, o déficit habitacional era imensurável, a produção agrícola era uma piada, a fome grassava no Nordeste. Mas parece que ninguém lembra. E, quando se refere a este período, tem memórias montadas. Lembram de um tempo que nunca existiu (O professor Leandro Karnal fala muito bem disso em uma de suas palestras). Até mesmo como forma de defesa psicológica para apoiá-lo na "onda" que ele surfa. Nesta onda de que tudo é culpa do PT, Lula e Dilma! Nesta onda criada pelos partidos mais corruptos do Brasil - DEM e PSDB - na clara tentativa de ludibriar cabeças despreparadas (lembrei de um amigo!) e que muita gente embarca!
Conheço uma pessoa que sempre reclama da desgraça que está o Brasil por causa do PT... Hoje está comemorando seu aniversário em um flat em Porto de Galinhas e sua filha faz medicina com apoio do FIES...
Conheço um empresário que sofre do mesmo mal... Está demitindo 180 pessoas de sua empresa. Mas esqueceu que em 12 anos ficou rico!

O Brasil mudou para melhor! Não é o Céu... Nem nunca será! "A felicidade plena não é deste mundo!". Mas eu continuo tentando entender esta eterna busca dele pelo pior... Pelo Inferno...

terça-feira, 1 de setembro de 2015

Leandro Fortes: CPMF para Iniciantes

Leandro Fortes
Jornalista
Caro pobre de direita, caro infeliz da classe média remediada.
Caso, por algum milagre, você conseguisse ganhar 1 milhão de reais em um ano, a CPMF recolhida no período, numa base de cálculo de 0,38%, seria de cerca de 3,8 mil reais.
Ou seja, ainda lhe restariam 996,2 mil reais para você curtir a vida adoidado.
Mas como a realidade do nosso capitalismo tropical lhe impõe um salário anual de, na melhor das hipóteses, uns 40 mil reais por ano, esse desconto ficaria em 152 reais.
Isso mesmo: 152 reais anuais.
12,6 reais por mês.
42 centavos por dia.
Em compensação, o Sistema Único de Saúde, que tem um potencial de atendimento de 200 milhões de pessoas, iria recuperar uma receita de 80 BILHÕES de reais que foi retirada pela oposição, capitaneada pelo PSDB (que havia criado o imposto), de maneira mesquinha e canalha.
E essa ação nada teve a ver com a tese fantasiosa de que o brasileiro paga imposto demais.
A CPMF foi extinta por pressão do grande capital financista e por boa parte dos empresários que hoje chafurdam na lama da Lava Jato porque era uma ferramenta de rastreamento de movimentos financeiros 100% eficiente.
Então, o maior e mais democrático sistema universal e gratuito de saúde do mundo foi sangrado por quem não precisa usá-lo para que o Estado não tivesse nas mãos um instrumento essencial de monitoramento fiscal.
E você, pobre de direita, infeliz da classe média remediada, que em algum momento vai precisar usar o SUS, se é que não o usa escondido dos colegas da firma, fica repetindo feito um babaca a lengalenga da elite econômica que lhe fode a vida achando que, com isso, ainda vai ser aceito por ela.
Não vai.

A DIRETORIA
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

"Com o tempo, uma imprensa cínica, mercenária, demagógica e corrupta formará um público tão vil quanto ela mesma."
(Joseph Pulitzer)