Cachete - S. M. Antigamente, no Nordeste do Brasil, era assim que se chamava qualquer comprimido para dor.

terça-feira, 31 de março de 2015

Tico Santa Cruz: Corrupção e Violência

video

Tico Santa Cruz, da Banda Detonautas Roque Club, fala alguma verdades sobre alguns dos mais polêmicos assuntos relacionados à política, violência e corrupção. Excelente!

"Nesse vídeo eu falo tudo o que penso sobre o Brasil. E você JAMAIS me assistirá em programas de TV aberta falando sobre estes temas, porque a imprensa teme a CENSURA, mas dificulta a disseminação de algumas verdades também. ( minhas verdades) Obrigado ao Canal Bis que me deu este espaço. Aqui ESTÃO APENAS AS FALAS, SEM AS MÚSICAS." - Tico Santa Cruz

segunda-feira, 30 de março de 2015

Folha de São Paulo: Justiça tarda e falha

Prescrição, atrasos, incúria e engavetamento beneficiam políticos do PSDB acusados de irregularidades, inclusive no dito mensalão tucano A liberdade, como ensina o lema dos inconfidentes, será sempre desejável, mesmo que tardia. Nem sempre se pode dizer o mesmo, contudo, da Justiça. Uma decisão tardia pode bem ser o equivalente da iniquidade completa, e um processo que se arrasta sem condenados nem absolvidos só pode resultar no opróbrio de todos --inocentes e culpados, juízes e réus, advogados e acusadores. Há um ano, o Supremo Tribunal Federal encaminhou à primeira instância da Justiça de Minas Gerais o julgamento do ex-senador Eduardo Azeredo, do PSDB. Nada aconteceu desde então. Ex-presidente de seu partido, Azeredo é acusado de ter abastecido sua campanha ao governo de Minas, em 1998, com verbas desviadas de estatais, valendo-se de empréstimos fictícios. Não são mera coincidência as semelhanças desse episódio com o que viria a ser revelado no escândalo do mensalão petista, alguns anos depois. Um de seus principais personagens, o empresário Marcos Valério, havia sido também responsável pelo esquema tucano. Apesar de inúmeros adiamentos e dificuldades, o caso petista foi julgado no STF. Natural que inspire movimentos de revolta e consternação o fato de que, embora ocorrido alguns anos antes, seu equivalente tucano continue a repousar no regaço da Justiça mineira. Correndo inicialmente no Supremo, uma vez que parlamentares como Clésio Andrade (PMDB) e o próprio Azeredo figuravam entre os implicados, o processo teve de ser enviado à primeira instância: os réus tinham renunciado a seus cargos no Congresso. A decisão do STF, remetendo o caso a Minas Gerais, foi tomada em março de 2014. O trajeto de Brasília a Belo Horizonte consumiu cinco meses. Em 22 de agosto, o processo chega à 9ª vara criminal. Era só proceder ao julgamento; nenhuma instrução, nenhuma audiência, nada mais se requeria. Que o juiz examinasse os autos. Juiz? Que juiz? A titular da vara aposentou-se em janeiro; não se nomeou ninguém em seu lugar. Havia --e ainda há-- pressa: alguns réus, dentre eles Azeredo, podem beneficiar-se da prescrição; outros envolvidos já escaparam por esse motivo. A lentidão mineira se soma ao caso de entravamento da Justiça ocorrido em São Paulo, para benefício de outro político do PSDB. Por três anos, um desembargador retardou o exame de irregularidades na gestão do hoje deputado estadual Barros Munhoz à frente da Prefeitura de Itapira. Veio a prescrição, e as suspeitas sobre crimes como formação de quadrilha e omissão de informações nem chegaram a ser julgadas. Não se trata, claro está, da "liberdade ainda que tardia" ostentada na bandeira de Minas Gerais. Entre essas figuras do PSDB, "impunidade na última hora" há de ser lema bem mais adequado.

Opinião dO Cachete:
Qual o motivo deste editorial? Queda nas vendas? Chantagem contra os tucanos??? Aguardemos o próximo passo...

quinta-feira, 26 de março de 2015

Caio César: Corrupção no Brasil - Uma rápida análise dos tempos

Caio César
Cientista Político
A corrupção é um processo estrutural e orgânico das sociedades. A visão aristotélica da ética produziu claramente seus possíveis efeitos e causas, dentro de quaisquer aporte institucional. Trazendo-a para análise no Brasil atual, ela se dispersa junto a todos os blocos hierárquicos da constituição. Tão rapidamente chega aos governos, desconfigurando suas metodologias pautadas nas normas e leis vigentes, ética e moralmente constitucionais, impondo aos mesmos, suas políticas e ações exclusivamente subjetivas, fazendo do público o privado. A subversão cultural patrimonialista, a dialética sem essência da concepção do “politicamente correto”, e sociologicamente falando,a hierarquia constituída das e sobre as classes ", foram senão as causas principais de sua extraordinária venda "vantajosa" no mercado brasileiro. Hoje, tornou-se algo tão não só vendê-la, mas comprá-la e trocá-la, comum, que. antes de levarmos uma multa, já estamos pensando em um "toco" ou antes de chegar uma eleição já queremos escolher a quem vender o voto. Quem não já ouviu falar nos cantinhos privados e públicos de nossa sociedade as seguintes frases: Deixa comigo meu velho, depois a gente vê aí... ou fica tranqüilo meu chapa, comigo as coisas é rapidinho... ou e aí resolveu meu negócio? Se sim! Pode ir ali pegar com fulano... Parece tão fácil ser corrupto ou corruptível no Brasil que, para alguns, nem diante de toda esforçada educação ética e moral que tiveram de seus pais e escolas, estes objetos deixam de ser implantados. É como as fundamentações científicas, que tentam explicar as maneiras diversas do indivíduo que pode ou não desenvolver o câncer. Sobre efeito analógico de análise é tão fácil perceber os atores corruptos no Brasil. Basta abrirmos e bíblia e perguntarmos a eles assim: Quem nunca trocou, vendeu ou comprou coisinhas meio assim... Que atire a primeira pedra! Dentre todas as frases do senso comum que ouço por aí, duas atualmente elevam-me a uma reflexão grande. Eis as sujeitas: O Brasil só tem um jeito... Jogando uma bomba, explodindo ele todo e depois reconstruí-lo, ou Só Jesus salva. Em tempos como estes onde políticos corruptos, acusam políticos corruptos e brasileiros depois de se corromper chamam esses corruptos de corruptos. É porque sem sombra de dúvidas estas frases acima citadas se sistematizadas aristotelicamente, os efeitos serão outros. Ou seja, É só pedir a Jesus Cristo que solte a bomba. Afinal, em tempos de crises e inversões de valores, até a ética o brasileiro conseguiu corromper? ou ainda existe uma luz no fim do túnel? 

O Brejo da Cruz Brasileiro

Brejo da Cruz

O Brasil é o Brejo da Cruz. O Brejo da Cruz é uma cidade fictícia da música homônima de Chico Buarque. Há de tudo nele!! Bilheteiros, bombeiros, babás... Pessoas simples que andavam nus e, muitos deles, se alimentavam de luz... Não tinham o que comer!
Hoje muitos evoluíram. "Já nem se lembram que existe o Brejo da Cruz. Que eram crianças e que comiam luz!". E são justamente estes que começam a complicar o cenário político do País. São contrários às políticas sociais que o tiraram direta ou indiretamente da condição de fome ou subemprego que viviam. Da condição de falta de Universidades para formação superior de um filho ou própria!! Que garantiram a eles atendimento emergencial em UPAs, no Mais Médicos. Que fez com que seus filhos deixassem de ir à escola em cima de lombo de jumento ou carroceria de caminhão devido ao Programa Caminho da Escola. 
O Brejo da Cruz mudou! Os seus habitantes mudaram. Uns para melhor! E melhor no sentido humano e de cidadania! 
Outros pioraram e assumiram a carapaça e o discurso dos seus antigos algozes. São estes que não se lembram do antigo Brejo da Cruz! E ainda esquecem que foram crianças... E que comiam luz!! 

A estes, meu total repúdio!

quarta-feira, 25 de março de 2015

Dra. Marise Morais: Síndrome de Hoover

Dra. Marise Morais
Psicóloga
No último dia quinze de março assistimos a mais um espetáculo da democracia onde pessoas que fazem oposição ao governo puderam demonstrar seu desagrado. Tenho amigos queridos que são pessoas bem intencionadas, honestas e que são de oposição, a quem respeito e por quem tenho profunda amizade. Faço essas ressalvas para que fique claro que não sou adepta do maniqueísmo infantil e paranoico do jogo eles são as bruxas e nós somos as fadas, não é isso. Mas para pontuar o que me chamou a atenção nos protestos. Não sei se é o vício metodológico ou o vício de análise de discurso do psicólogo, mas o que mais me chamou a atenção foi a falta de unidade de objetivos. Afinal, era contra o governo? Era por uma ditadura militar? Era por uma intervenção americana? Era a favor da homofobia? Era a favor do feminicídio? Parece absurdo mas todas essas questões eu vi colocadas em placas, isso sem falar em apelos ao nazismo inclusive com a suástica e o cumprimento nazista de braço erguido para o céu. Um outro argumento usado foi que a passeata era contra o governo e em defesa da família. Em alguns lugares, vimos mulheres absolutamente nuas, outras com seios à mostra apenas pintados com as cores da nossa bandeira (e não sou daquelas pessoas que viram o rosto para aspectos anatômicos humanos pois, além de psicóloga, sou artista plástica), mas como diria Mãe Olga de Arakêto: "Roupa de Santo é roupa de santo e roupa de missa é roupa de missa". Um outro argumento é que a passeata seria contra a corrupção e foi aí que me doeu ver pessoas honestas com suas famílias ao lado de políticos reconhecidamente corruptos, processados e condenados por alta corrupção lado a lado. Naquele dia, o provérbio "diz-me com quem andas" não valeu. Ver Agripino Maia, Rosane Malta (ex- Collor) que em única viagem a Paris chegou a gastar trinta mil dólares de lingerie da Victoria's Secrets e foram pagos pelo governo), políticos processados por escravidão em suas fazendas estavam lá em defesa da liberdade contra a corrupção. Todos esses acontecimentos estavam sendo noticiados por emissoras de televisão que são concessões do governo e as maiores devedoras do imposto de renda e que somente por isso parecem ter por trás dessas campanhas objetivos escusos e até mesmo sombrios. As famílias que detêm essas concessões são devedoras e agora aparecem em listas de bancos estrangeiros como sonegadoras, estando agora sob investigação. O que já colocaria sob suspeição seus discursos inflamados e sua programação. A mídia sempre serviu como programadora de pensamentos e "idealismos". Lembremos o nazismo que foi todo montado em cima de propaganda. Socialities esbravejando contra o bolsa-família porque cria dependência e vagabundagem quando sabemos que muitas recebem a bolsa-filhinha-de-papai e que é uma polpuda pensão paga às filhas solteiras de militares - tenho amigas que já são avós e ainda recebem pois nunca se casaram oficialmente. Mas por que tanta perseguição? É contra o governo? É contra uma mulher ser presidente? Ou é exatamente aquilo que vimos na passeata? Políticos oportunistas, algumas pessoas de bem, mas, direcionadas por um discurso midiático distorcido que esconde interesses escusos? É o "cada um por sim" e cada qual no seu quadrado? ou tudo isso tem um objetivo muito maior e muito mais obscuro? A história está repleta de perseguidores com razões obscuras. John Edgar Hoover ficou famoso por ser o chefe do FBI e por sua luta contra a pornografia, em defesa da família (a lei da ""mistress" – amante - foi ao congresso graças a seus "esforços") e no combate aos gays e ao comunismo. Serviu (e serviu-se) a oito presidentes americanos e foi o perseguidor implacável de políticos, artistas, civis e militares que não se enquadravam em sua cruzada em defesa da família e da democracia americana. Mas como Hoover tinha acesso a informações tão pessoais como as que se relacionavam aos políticos de orientação homoafetiva, de uma vez que àquela época tudo era muito discreto? Como saberia se um político tinha uma amante e viajaria com ela para outro estado? Como saberia sobre pornografia, inclusive pornografia infantil naquela época em que as comunicações eram escassas para os civis? Simplesmente porque esse era o mundo em que ele parecia conviver. Inteligentemente, esse homem usou todo o sistema de segurança do presidente dos Estados Unidos da América para espionar, chantagear, obter favores e ficar milionário. Utilizou as redes de televisão para manipular e fazer campanhas anticomunistas contra artistas que sabiam das suas relações com outros homens e para obter vantagens de políticos. Criou um programa que chamou de "jogos sujos", o COINTELPRO para perseguir ativistas pela paz. E possuía a maior coleção de pornografia do mundo. Ao morrer deixou sua casa e toda sua fortuna para Clyde Tolson com quem sempre passou suas férias, almoçava e jantava todas as noites e dizia ser seu alter-ego. E ao lado de quem está sepultado. Foi perseguidor implacável de Charles Chaplin, John Lennon, Martin Luther King além de outros diretores e atores que ficaram sem trabalho no cinema americano, por razões políticas. Parece que estamos vivendo uma espécie de Síndrome de Hoover. Perseguir, alardear e fazer campanhas acirradas de ódio, perecem ser indicadores de que há algo de estranho no outro que eu não suporto (como nos falava Freud, talvez por ser muito familiar) ou então é o velho cinismo de atacar para disfarçar e esconder. Até quando padeceremos da Síndrome de Hoover de poucos para sacrificar muitos? 

Mas como diz o poeta, no fundo, "Narciso acha feio o que não é espelho”.

sexta-feira, 20 de março de 2015

Os perigos de uma Primavera Brasileira

Bagdá - A Pérola do Oriente

Não! Não é mais uma teoria da consPIRAÇÃO! Está acontecendo pelo mundo! e O Modus Operandis é sempre o mesmo! 
Primeiro, ELES tentam o golpe por via "democrática"! Vão às urnas com seus candidatos financiados por eles, por grupos financeiros ligados a eles e com campanhas largamente divulgadas pelos grupos de mídia também ligados a eles. Inventam mentiras e celeumas políticas contra o candidato concorrente.
Se não conseguem obter sucesso...
Eles causam a instabilidade do país através de financiamento de grupos políticos e de mídia simpatizantes à sua causa. Financiam passeatas com carros de som, show de artistas populares, faixas, bandeirões e cartazes. Induzem a população a acreditar em situações que não estão acontecendo ou supervalorizam esta situação.
Se ainda não conseguem, partem para o locaute de empresas e grupos contrários ao governo vigente. Promovem o desabastecimento de alimentos e combustíveis com greve de transportadoras e seus sindicatos patronais . E colocam a responsabilidade no Governo.

Síria

Depois partem para o belicismo. Criam, financiam e apoiam grupos mercenários (Estado Islâmico? Boco Haran?) que são a favor da guerra civil que entram em confronto direto com as forças de segurança e militares do país. 
É o ponto máximo do caos!! 
Governante deposto ou mesmo assassinado. Muitas mortes civis e militares. Estrutura nacional destruída. Cidades arrasadas, fome, sede e dor!
Colocam no Governo alguém que defenda os seus interesses e pronto! Então, está tudo dominado!!!

Líbia

A isso eles chamam de "Primavera"! 
Foi assim no Iraque, Afeganistão, Líbia, Síria e Egito.
Está acontecendo neste momento na América do Sul! Na Venezuela e no Brasil. Já dizem que a Venezuela é uma ameaça para eles! Logo, será o Brasil! Uma grande ameaça!
E tudo isso por que??? Petróleo!! A máquina de guerra deles precisa estar lubrificada e abastecida. E não há a menor importância se parte deste lubrificante e combustível venha misturado a sangue alheio... Eles até acharão que funciona como aditivo!
Não podemos permitir isso! O Brasil já está rachado! Estamos em uma avançada fase de invasão ideológica por parte destes canalhas. Não permitamos a invasão física! Nesta primavera, o país não ficará florido!

Não passarão!

Eu espero estar errado...

quarta-feira, 18 de março de 2015

WhatsApp: Homofobia e Rede Globo

Novela Babilônia
Beijo Homoafetivo entre as atrizes Fernanda Montenegro e Nathália Timberg

Recebi esta mensagem (diversas vezes) pelo WhatsApp. Uma destas vezes, foi através de uma grande amiga cujo filho é gay!

"VALORES, NÃO PODEMOS ACEITAR... PRECISAMOS PRESERVAR A NOSSA FAMÍLIA. O MINISTÉRIO PÚBLICO CONFIRMOU QUE PODE SIM VETAR A NOVA NOVELA DAS NOVE DA REDE GLOBO. ELA VAI RETRATAR O LINDO AMOR ENTRE DUAS MULHERES. ATÉ QUANDO A GLOBO VAI DITAR E A TODO MOMENTO PERTURBAR A CABEÇA DE NOSSOS FILHOS. ESTAMOS REFÉNS DA POLÍTICA SUJA E TAMBÉM DA REDE GLOBO QUE NÃO FICA ATRAS, A JUSTIÇA VAI SE ENVOLVER AGORA, POIS A PODRIDÃO CRESCE A CADA MOMENTO. SE X % DAS TVS ESTIVEM DESLIGADAS NO HORÁRIO DA NOVA NOVELA A MESMA SERÁ SUSPENSA DO AR. VAMOS MOSTRAR QUE NÃO QUEREMOS MAIS QUE TEMA COMO ESSE VENHA ENTRAR EM NOSSAS CASAS. VAMOS FAZER A NOSSA PARTE PELO BEM DA INSTITUIÇÃO CHAMADA FAMÍLIA. TÁ NA NOSSA MÃO AGORA. SE ISSO ACONTECER POR 35 DIAS A GLOBO VAI PASSAR A MAIOR VERGONHA DA HISTÓRIA. PASSE ESTA MENSAGEM CASO VENHA CONCORDAR, EU CONCORDO POIS ACREDITO QUE É A UNICA FERRAMENTA QUE NÓS TEMOS."

Beijo Homoafetivo
Mateus Solano e Thiago Fragoso

Ou seja. O maior problema da Rede Globo é a divulgação e implantação de tendências homossexuais na cabeça dos nossos filhos!! Jura??? 
A Rede Globo colaborou com a Ditadura Militar. Foi seu braço direito. Após a Ditadura, continuou apoiando os partidos de direita. Possui programação de conteúdo explicitamente sexual em horário nobre. Faz parte ativamente de grupos políticos golpistas e contrários à democratização do Brasil. Mente. Prega a violência e embate entre classes sociais. Discrimina negros, nordestinos, gordos e mulheres! E agora, só por causa de um beijinho entre duas atrizes, cujos personagens são homossexuais, vem alguém e divulga uma mensagem com este conteúdo???
Não, meu amigo! Ninguém transforma ninguém em homossexual... Dá mesma forma que não existe esta idiotice chamada de "Cura Gay" pregada por alguns setores religiosos!
A Rede Globo nos dá  diversas razões para boicotá-la. Mas, definitivamente, essa não é uma delas!

terça-feira, 17 de março de 2015

Leandro Fortes: A Marcha dos Hipócritas

Leandro Fortes
Jornalista
Primeiro, vamos combinar uma coisa: se você votou em Aécio Neves, nas eleições passadas, você não está preocupado com corrupção. Você nem liga para isso, admita. Aécio usou dinheiro público para construir um aeroporto nas terras da família dele e deu a chave do lugar, um patrimônio estadual, para um tio. Aécio garantiu o repasse de dinheiro público do estado de Minas Gerais, cerca de 1,2 milhão reais, a três rádios e um jornal ligados à família dele. Isso é corrupção. Então, você que votou em Aécio, pare com essa hipocrisia de que foi às ruas se manifestar porque não aguenta mais corrupção. É mentira. Você foi à rua porque, derrotado nas eleições passadas, viu, outra vez, naufragar o modelo de país que 12 anos de governos do PT viraram de cabeça para baixo. Você foi para a rua porque, classe média remediada, precisa absorver com volúpia o discurso das classes dominantes e, assim, ser aceito por elas. Você foi para a rua porque você odeia cotas raciais, e não apenas porque elas modificaram a estrutura de entrada no ensino superior ou no serviço público. Você odeia as cotas raciais porque elas expõem o seu racismo, esse que você só esconde porque tem medo de ser execrado em público ou nas redes sociais. Ou preso. Você foi para a rua porque, apesar de viver e comer bem, é um analfabeto político nutrido à base de uma ração de ódio, intolerância e veneno editorial administrada por grupos de comunicação que contam com você para se perpetuar como oligopólios. Foram eles, esses meios de comunicação, emprenhados de dinheiro público desde sempre, que encheram a sua alma de veneno, que tocaram você como gado para a rua, com direito a banda de música e selfies com atores e atrizes de corpo sarado e cabecinha miúda. Não tem nada a ver com corrupção. Admita. Você nunca deu a mínima para corrupção. Você votou em Fernando Collor, no PFL, no DEM, no PP, em Maluf, em deputados fisiológicos, em senadores vis, em governadores idem. Você votou no PSDB a vida toda, mesmo sabendo que Fernando Henrique comprou a reeleição para, então, vender o patrimônio do país a preço de banana. Ainda assim, você foi para a rua bradar contra a corrupção. E, para isso, você nem ligou de estar, ombro a ombro, com dementes que defendem o golpe militar, a homofobia, o racismo, a violência contra crianças e animais. Você foi para a rua com fascistas, nazistas e sociopatas das mais diversas cepas. Você se lambuzou com eles porque quis, porque não suporta mais as cotas, as bolsas, a mistura social, os pobres nos aeroportos, os negros nas faculdades, as mulheres de cabeça erguida, os gays como pais naturais. Você odeia esse mundo laico, plural, multigênero, democraticamente caótico, onde a gente invisível passou a ser vista – e vista como gente. Você foi não foi para a rua pedir nada. Você só foi fingir que odeia a corrupção para esconder o óbvio. De que você foi para a rua porque, no fundo, você só sabe odiar.

segunda-feira, 16 de março de 2015

Meninos e Meninas... Juro!! Eu vi!!!

O protesto tem nacionalidade!

Eu vi... Eu juro!!

Vi o Agripino Maia pedindo pelo fim da propina...
Vi o Jarbas Vasconcelos bradando pelo fim da roubalheira...
Vi o Cássio Cunha Lima gritando pelo fim da corrupção...

Juro.. Eu vi!
Vi gente vestida com camisa metade Brasil, metade Estados Unidos.
Vi gente com a bandeira americana em punho...
Vi gente portando uma faixa com uma cruz suástica...
Vi neonazista ao lado de judeu ortodoxo protestando contra a violência...
Vi pessoas "enforcando" dois bonecos (um de Lula e Outro de Dilma) sob um viaduto...

Vi...
Pessoas que defendiam a mesma bandeira brigando entre si...
Pessoas com camisas e adesivos de partidos dizendo que era um movimento apartidário...
Pessoas sobre carros de som enormes dizendo que aquele era um movimento sem dinheiro...
Pessoas pedindo impeachment e imediata posse do Sr. Aécio Neves...

Vi uma empresa concessionária de televisão conclamando a presença das pessoas na rua...
Vi pessoas pedindo a volta da ditadura militar ou intervenção militar constitucional...
Vi pessoas portando faixas em inglês pedindo intervenção militar americana...
Vi faixas pedindo mais "educassão"...
Triângulos de quatro lados...

Só não vi uma coisa....
Bom senso! Este faltou... Passou longe... Não veio...

O resto eu vi... Juro... Eu vi!!!




quarta-feira, 11 de março de 2015

Caio César: O Panelaço e o Ódio em dois parágrafos

Caio César
Cientista Político
O ódio toma conta da classe elitista do país. E cada vez mais fica evidente uma tentativa de se dividir o "país". Discursos desumanos, racistas e preconceituosos pairam nesta ótica. Visto que a luta de classes é um princípio lógico de condições sociais, neste exato momento ela passa por uma recondução em sua essência. Ou seja, a luta de classes neste Brasil do ódio, apresenta unica e exclusivamente uma luta para retomada do poder e dos privilégios de determinados grupos sociais. É tão notório este discurso de uma falsa indignação social, que chegamos a ver, mulheres "da classe alta", chamando a Presidenta de um República em pleno dia internacional das mulheres, de puta, vaca, nojenta e safada, pós o seu discurso em rede nacional. Algo deve e muito as incomodar ou realmente existe alguma espécie de legitimidade para este furor todo? Acredito que o que talvez as incomode, seja os diretos trabalhistas de suas empregadas domésticas, que a Presidenta tornou Lei e custe e o que custar as mesmas terão que cumprir. Senão não terão suas roupas lavadas, apartamentos limpos e comidas nas mesas a um custo ainda tão barato. E por fim, a legitimidade que as mesmas possam comprovar, não vêem da racionalidade ou de algum princípio de valor, e sim das panelas e mais panelas cujo as mesmas em apenas um dia de suas vidas, aprenderam a cozinhar tão saborosamente a ignorância, o desrespeito, a imoralidade, o barbárie, e o prejulgamento que querem a todo custo que os seres mais humanos deste Brasil, engulam sem fazer cara feia.

terça-feira, 10 de março de 2015

Paulo Rubem Santiago: O Panelaço Seletivo das Ruas

Dep. Paulo Rubem
PDT/PE
Não vi essa gente ir às ruas quando FHC torrou o patrimônio público e entregou o apurado para a dívida pública. Não vi essa gente nas ruas quando a máfia do Banestado, no Paraná, mandou US$ 50 bilhões para o exterior de forma ilícita. Não vi essa gente nas ruas quando lutei com vários parlamentares pelo fim do financiamento privado de campanha e por uma reforma política desde 2003. Não vejo essa gente nas ruas quando o governo federal repete, a cada ano, o REFIS, para que gordos sonegadores parcelem os débitos fiscais e depois deixem de pagar as parcelas. Nos EUA estariam na cadeia faz tempo.Não vi essa gente nas ruas, desde 1994, quando FHC e outros governos mantiveram o corte de 20% do orçamento federal, inclusive na saúde, para engordar a conta do superávit primário, através da DRU-desvinculação das receitas da união, que tentei barrar em 2011 e não consegui. Temos que lutar, sim, contra a corrupção. Temos, também, que defender as políticas de valorização do salário mínimo ( que eles odeiam ) e seu vínculo com a previdência, o que as elites queriam cortar. Temos que defender o pré-sal, que as elites engoliram à pulso. Temos que defender verba pública para educação pública, que as elites atropelaram na destinação dos 10% do PIB para a educação. Essa elite seletiva adora protestar. Protestar faz parte da democracia, mas adora também mamar em dinheiro subsidiado do BNDES, adora título público que paga juros altos, desviando dinheiro da produção, adora o REFIS, adora dar dinheiro para eleger cada vez mais gente no Congresso. Afinal, quem deu dinheiro para essas campanhas milionárias? Foi seu Zezim do Côco, barraqueiro da praia de Boa Viagem? Essa gente é seletiva, cínica, reacionária. Ir às ruas é dizer não à corrupção, é dizer sim aos avanços sociais, é dizer não à macroeconomia do arrocho e da dívida pública, é empurrar o governo para a esquerda, mantendo avanços e , sim, corrigindo erros. Dia 13 será um dia para isso, como deveriam ter sido os 4380 dias desde a posse de Lula até o fim do primeiro mandato de Dilma. A ausência do povo nas ruas deixou aberto o terreno para os mandarins do capital e da corrupção histórica, para os barões da mídia que exploram concessões públicas no rádio e na tv, mas que não permitem espaço para o contraditório nas notícias, nem revelam os interesses das eternas fontes que ouvem, às quais dão voz e vez repetidas vezes.

Desinformação: Cristina Lobo da Globonews inverte a pauta da CUT.

Cristina Lobo: Mentira quanto a atuação da CUT

A CUT já havia definido sua atuação no dia 13/03. A pauta é de apoio à Petrobras e ao Governo Federal. A Globonews e sua lacaia Cristina (G)Lobo tentam aplicar a desinformação para desarticular o Movimento...

Uma imagem que vale por milhões de palavras!

"A Elite fará tudo pelo trabalhador. Menos descer de suas costas!"

Uma imagem emblemática! Mostra a Madame obrigando a Empregada Doméstica a bater panela por ela... Afinal, ela nunca pegou no cabo de uma panela na vida...

sábado, 7 de março de 2015

Rodrigo Janot, Aécio Neves, José Serra e a Lista de Furnas

Rodrigo Janot

Ok, Dr. Janot! Sabemos que Aécio Neves e José Serra foram citados pelo doleiro Yusseff. Mas o senhor diz que eles não eram alvo da Operação Lava Jato. E por isso Vossa Excelência não abriu processo/investigação contra eles.
Entretanto, eles estão na Lista de Furnas!! O Yusseff confirmou a participação deles neste esquema!
Não haverá abertura de investigação??? Nenhum processo??? 

Estamos de olho e exigimos ação, Dr. Janot!!!


sexta-feira, 6 de março de 2015

Cadernos de Educação Popular - Vol. 4 - Luta de Classes

Preocupado com a total falta de educação política do brasileiro comum, o Blog O Cachete estará disponibilizado semanalmente estes Cadernos de Educação Popular. Trata-se de uma coleção dos anos 80. De fácil leitura, ilustrada e toda montada sob o viés socialista para auxiliar na educação política do homem comum, sem os tecnicismos dos grandes escritores... Porém não dispensa a leitura destes!

quinta-feira, 5 de março de 2015

Luciana Genro e PSOL: Mais do mesmo...

Preleção de Luciana Genro

Fui convidado pelo meu amigo Cássio César para um debate na UNICAP (Universidade Católica de Pernambuco) com a Luciana Genro, Albanise Pires, o Deputado Estadual Edílson Silva e Zé Gomes. Todos do PSOL. Quando lá cheguei, encontrei um auditório lotado de jovens estudantes. Debate iniciado pelo Deputado Edílson Silva... E o que aconteceu? Pancadas no PT... Microfone passado para a Albanise. Me surpreendeu! Falou do Movimento Feminista. Ótimo!!! Microfone passado para um ilustre desconhecido chamado Leandro Recife. Conheci a parte "sunita" do PSOL. Pancadas e mais pancadas! Discurso de ódio contra o PT e Dilma. O mesmo discurso proferido pelo Zé Gomes... Pensei! "A Luciana Genro deverá arredondar os discursos... Virá com discurso de união das esquerdas contra o golpismo da direita e dos meios de comunicação a ela associados". E a decepção foi maior ainda. A "loira" chegou ao ponto de dizer que Dilma e o PT eram contra o financiamento público de campanhas políticas, que o PT era patrocinado pelas grandes empreiteiras do Brasil... Coisas assim. E sempre com o slogan "A saída da crise é pela esquerda!"... Não deu direção, atalho ou endereço de como ir para a esquerda e chegar no processo de solução para a crise. Apenas jogava "Pedras na Geni" apelidada de PT...

Conclusão: Esta "Síndrome de Leão da Montanha" que assola no PSOL e partidos a ele aliados/coligados é contraproducente e desintegra as esquerdas do Brasil... Enquanto isso, a direita nada de braçada!!!

terça-feira, 3 de março de 2015

MEDO: A IURD e seu Exército de Gladiadores

Exército de Gladiadores

Não critico religiões! Elas movem paixões tão grandes ou maiores que a política e o futebol. Mas este "Exército de Gladiadores" que está sendo criado na Igreja Universal me deixa apreensivo. Jovens fundamentalistas, com um líder carismático direcionando suas mentes e corpos... Junte-se a isso meia dúzia de versículos do Levítico (24:16, por exemplo. "Aquele que blasfemar o Nome de Yahweh deverá morrer" ou o 20:13 "O homem que se deitar com outro homem como se fosse uma mulher, ambos cometeram uma abominação, deverão morrer") e algumas armas "ungidas" e não teremos nada a dever ao Estado Islâmico. Estamos na iminência de se criar um "Exército Fundamentalista Cristão" assassinando pessoas em nome de Deus!!

Espero, do fundo do meu coração, estar errado!!!

Aos meus amigos e irmãos da IURD, peço bom senso e sobriedade!!

segunda-feira, 2 de março de 2015

Dra. Marise Morais: Povo - Por que o odiamos???

"Já nem se lembram
Que existe um Brejo da Cruz.
Que eram crianças
E que dormiam nus".
Música: Brejo da Cruz - Chico Buarque

Estamos vivendo a era da comunicação tecnológica. Temos computadores, tablets e celulares. Temos satélites e fibra ótica. Temos a internet e as redes sociais. O que não conseguimos e até estamos perdendo é a comunicação pessoal. De pessoa para pessoa. Passamos de telespectadores (era assim que nos chamavam, quando tínhamos a sorte de possuir um aparelho de televisão que transmitia imagens que hoje achamos quase ininteligíveis e sons que mais se assemelhavam a barulhos, que hoje qualquer um não aceitaria em seus celulares com telas de alta definição e sons em estéreo do mais puro). 

Pois é, em menos de vinte anos desenvolvemos tudo isso, menos a comunicação. E como não nos entendemos, não conseguimos explicar e principalmente não nos preocupamos em compreender para ao menos tentar aceitar.Tanta tecnologia a serviço da estupidez, da ignorância e principalmente do ódio. A crueldade nunca esteve tão bem aparelhada.

Se a comunicação enquanto expressão tem hoje facilidades e meios inimagináveis, a mensagem está cada vez mais difícil de ser entendida e por sua vez os preconceitos que antes não passavam de três ou quatro "comunicadores", hoje em questão de segundos transforma-se em"realidade" com seguidores e "curtidores" que na maioria das vezes nem se perguntam por que estão repassando , "curtindo" ou comentando os fatos como se apresentam. 

Graças a essa "eficiência" podemos ser "Charlie" sem entender uma palavra de francês ou nos colocarmos na condição de macacos ou contra os islâmicos sem nem saber o nome do profeta..

Me parece é que no fundo, nós adoramos odiar e nem perguntamos a razão desses "ódios" dentro de nós. Sim, porque tudo tem uma razão de ser. O acaso não existe, principalmente se falamos de processos emocionais e inconscientes.

E os nossos inconscientes nunca estiveram tão expostos, tão psicóticos, pois a cada dia temos um ódio novo nas redes sociais. Tudo muito imediato e eficiente. Ódios e amores. Rápidos, inexplicáveis e quase sempre controversos. Estamos adorando odiar!

Em dias de redes sociais nós podemos odiar negros (mas amamos animais - somos bonzinhos com cachorrinhos e gatinhos que aparecem aos milhares em fotos floridinhas ou em vídeos lacrimosos), odiamos os gays ( tem gente apostando que gays são incapazes de serem bons pais ou mães. Afinal uma boa família é feita com héteros, mesmo que esses abandonem as crianças que serão adotadas pelos gays). Odiamos mulheres ( teve até um político que disse publicamente que mulheres devem ganhar menos pois engravidam e ainda falou da importância do estupro como punição para elas). E nós odiamos o povo. É verdade sim! Odiamos essa gentalha chamada povo, povão ou povinho, mesmo quando nos inserimos nele seja nas tabelas sociológicas ou estatísticas do IBGE .Eu também posso odiar comunistas (mesmo não sabendo muito a diferença entre comunismo e socialismo, mas odeio).

Agora o nosso ódio tem alvos fáceis: partidos populares, uma mulher que foi legitimamente eleita, um operário que desafiou as elites e se fez presidente. Tudo povo. 

Mas por que razão temos tanto ódio contra "esse povo" (aliás é uma expressão muito boa quando a usamos para nos excluirmos do nosso próprio ódio)? Ela só perde para outra que mais descarada - a expressão "pobre". Ela é muito usada em piadas e comparações que por mais politicamente correto ( é um outro nome para encobrir a hipocrisia) que você se sinta conhece ao menos uma daquelas comparações que se fazem entre " o filho do pobre" e o "filho do rico" e que trazem em seu conteúdo o nosso preconceito e a nossa paixão por lamber botas (inclusive coturnos) dos nossos dominantes.

Qual é o partido mais odiado nos dias de hoje? É popular e teve a infeliz ideia de se chamar Partido dos Trabalhadores. Infeliz sim, nós odiamos trabalhadores e isso é histórico. Trabalhador é gente que se aperta em ônibus, usa perfume barato, fala alto e sofre de uma doença horrível chamada espontaneidade. É um povinho sem meias palavras, olho no olho, que não dissimula o que sente. Mas como eu disse antes é histórico. 

Em tempos de Brasil- Colônia trabalhador ou era escravo ou escravo liberto. Os senhores eram brancos e se dedicavam a coisas mais nobres como estudar na Europa, falar francês e tocar piano. Trabalhador não ia à ópera, muitos nem podiam ir à igreja (Recife tem uma com o nome de Nossa Senhora do Rosário dos Homens Pretos), não frequentavam os saraus das casas da nobreza. As pessoas se protegiam do sol ( sem filtro solar 60 como hoje) com o mesmo pavor que hoje temos para não pegar câncer, mas pelo fato de um bronzeado mais forte denunciar a sua condição. As que se expunham eram chamadas de "trigueiras" ( um politicamente correto colonialista para tralhador braçal de campos de trigo) Era gente suada e fedida numa época em que banho e cosméticos eram artigos de alto luxo.

Porque odiamos nordestinos? Pela mesma razão. Eles entraram no sudeste como mão de obra barata semi-escrava para construir os palacetes dos barões do café e dos primeiros industriais da época.

Somos adeptos do belo ( mas só do belo greco-romano), peles brancas perfumadas e em dias de hoje bem hidratada, magra e sem celulite.Amamos o estrangeiro de olhos azuis e ensinamos ás nossas mulatas a caçarem esses troféus como se fossem os últimos dinossauros vivos sobre a terra. Não temos orgulho dos cachinhos dos nossos cabelos,( daí o sucesso das chapinhas e escovas "inteligentes" que até hoje eu não consegui ver o QI). Nós amamos o que não nos identifica, ou melhor o que pode esconder nossos complexos de vira-latas históricos. Nossas mulatas só são lindas como material de consumo sexual para deleite do estrangeiro. Nós temos medo quando encontramos na rua uma pessoa negra que se aproxima. Mas se tivesse o olho azul seria um estrangeiro perdido precisando de ajuda. É aquela coisa: Mulata é linda, mas casar com meu filho de olho azul, nunca!

Somos lambedores de botas históricos e com pedigree. Duvido que se encontre no estrangeiro placas em outro idioma que não seja o próprio do país.Isso sem falar dos nossos estabelecimentos com nomes de reis e rainhas disso ou daquilo. Nós adoramos saber que podemos ser descendentes de tal ou qual família ( tem um site que até brasão ajuda a encontrar), talvez para esquecer que somos descendentes de degredados, índios escravizados e africanos que tiveram o mesmo destino. Odiamos farmácias ou lojas que nomes como: do trabalhador ou dos pobres( aqui em Recife todas faliram). Amamos comprar naquelas que tem nome legitimamente inglês, como se fôssemos súditos elisabetanos ou legítimos sobrinhos do Tio Sam.

Ser não-povo é fugir de tudo isso que se não fossemos tão emocionalmente doentes poderia nos orgulhar

Em outros países ter um presidente operário ou lenhador é motivo de orgulho. Para nós é libelo acusatório. Precisamos sepultar, destruir, esconder a nossa vergonha de sermos únicos, tão diferentes, tão miscigenados. Por isso tentamos nos branquear, nos enriquecer com o que o outro aplaude.Sepultamos a nossa cultura em camadas de terra de novidades importadas quase sempre de mal gosto. Vemos programas estrangeiros e copiamos suas fórmulas. Nossos jovens cada vez mais esquecem a pureza da sua língua mãe e adotam o linguajar e as roupas ( muitas vezes caras ) trazidas pelo estrangeiro como se fossem bonecos de uma mesma marca. E por trás de tudo isso uma mídia perversa (basta ver os realityes shows onde tudo parece normal inclusive sexo explícito com desconhecidos) e corrompida que elege a cada dia "o maior sucesso de todos os tempos da última semana" Como diz uma música. Vale tudo! 

Depois, aparece um partido, com políticos saídos das entranhas das fábricas e dos conselhos populares, que tem como líder um nordestino, que não está disposto a incensar as botas do patrão mas que valoriza as suas origens miseráveis ( e o pior, parece ter orgulho dessas origens) que distribui renda para o povo ( foi a maior distribuição de renda que já se viu) que não se conformou e achou que filho de pobre pode ser tudo , até presidente ( acho que ele não se conformou com a célebre piada que diz que rico correndo é atleta e pobre correndo é ladrão) que possivelmente teve uma mãe que lhe injetou auto estima em largas doses ( a mãe... a culpa é sempre da mãe, numa visão freudiana) e que por fim elege uma mulher que não se curvou nem sob tortura ao machismo e ao oportunismo canibal das classes dominantes.

Talvez isso seja só o começo de uma tentativa de explicar esse ódio galopante que se instalou no país. Muitos vão negar, afinal a negação é um dos melhores mecanismos de defesa do inconsciente. .Afinal, no inconsciente vale tudo para não denunciar o que dá medo, o que não se suporta. Mas o velho psicanalista judeu-austríaco também dizia que aquilo que eu acho muito estranho e até odioso no outro é porque muitas vezes é muito conhecido para mim. Ai! como eu adoro odiar, pois eu me reconheço nos meus ódios e me garanto na suas negações. Eu adoro odiar você negro, pobre, mulher, muçulmano , trabalhador ou analfabeto pois isso me ajuda a viver com o meu medo de ser reconhecido e denunciado por ser seu semelhante, seu igual. 

Ai! Que ódio de não poder ser eu mesmo. Só um lambedor de botas miserável e infeliz.

"Eu sou mameluco.
Sou de Casa Forte.
Sou de Pernambuco.
Eu sou o Leão do Norte".

Lenine (nome de comunista).
Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

"Com o tempo, uma imprensa cínica, mercenária, demagógica e corrupta formará um público tão vil quanto ela mesma."
(Joseph Pulitzer)