Cachete - S. M. Antigamente, no Nordeste do Brasil, era assim que se chamava qualquer comprimido para dor.

sábado, 30 de abril de 2011

Roberto Freire Desce do Salto e Ameaça Tuiteiros


O Calabar Pernambucano
Um Canalha Intinerante
O “ex-comunista” e nômade político Roberto Freire (PPS), botou todas as suas manguinhas truculentas de fora hoje, quando ameaçou pelo Twitter processar internautas por reproduziremmatéria sobre acusações feitas a ele e ao seu partido de envolvimento no escândalo do Mensalão do DEM. As denúncias teriam vindo à tona por meio de depoimento arrolado nas investigações do escândalo. Freire e o PPS são acusados pela diretora comercial da Uni Repro Serviços Tecnológicos Ltda, Nerci Soares Bussamra, de praticar chantagem e pedir propina para manter um contrato de R$ 19 milhões com a Secretaria de Saúde, comandada pelo deputado Augusto Carvalho, filiado ao partido. Confira a informação completa em postagem anterior!
Em represália, no TT, Roberto Freire deixou a veia totalitária falar mais alto e esbravejou: “Você sabia: Justiça admite processo por crime cometido na internet. Caluniar é crime, já processei uma caluniadora que se retratou”; “Vou escolher aqueles que melhor representam os caluniadores lulodilmistas como exemplo, @erimonatto Você e sua mulher se apresentam?”.
O piadista de plantão no TT e abafador de casos contra tubarões de direita, senador Roberto Requião (PMDB), não perdoou e entrou na conversa: “É bullying com o Roberto Freire” . A ameaça agitou a noite de sábado e causou indignação nas timelines pelo Brasil à fora. Requião mais uma vez resolveu dividir os holofotes para preservar alguém (que fim deu a repercussão da blitz do Aécio mesmo?) e declarou sobre o colega congressista – colega também pela afinidade e semelhança no traquejo político: “Freire está aprendendo agora o que é assédio e impunidade dos acusadores. Conheceu ? Ao Freire o direito de resposta” . Diante dessa troca de métodos entre Bob Rex e Bob Freire, salvem-se os gravadores da imprensa! Como diria Raul Seixas, repetidamente na voz de Zé Geraldo: “Quanto mais conheço os ditadores mais eu amo meu cachorro”.
Engolido do Blog Lado B
Opinião dO Cachete:

Lembro de um encontro com o Roberto Freire em 1995. Estava no casamento do meu amigo Leonardo Selva - Filho do Ex-Deputado Ricardo Selva. Eu, de terno - uma raridade - com um broche com a foice e o martelo na lapela, em pé, prestava atenção na cerimônia. De repente, chega um cidadão ao meu lado, olha para mim, eu olho para ele, ele olha para a minha lapela, faz aquela cara que vocês podem ver na imagem lá em cima, me dá as costas e vai embora! O Traidor não suporta ver o símbolo traído! Dane-se!

Caruaru - Uma Pedra Preciosa do Agreste Pernambucano



Caruaru, no agreste de Pernambuco, vai bem além das festas juninas e surpreende com um dos mais importantes centros artísticos do Nordeste.

Arte UOL
Caruaru não foi feita para viajantes amadores, muito menos para aqueles acostumados com o turismo de fácil assimilação dos tours apressados de um dia, como os que acontecem em alguns destinos do litoral nordestino.


Localizada em pleno agreste pernambucano, "nas entranhas do nordeste" como descreveu certa vez um cordelista local, essa cidade a 130 km de Recife custa a conquistar os mais apressados e vai se deixando revelar aos poucos. Sua gente é tão cativante quanto os bonecos de barro de Vitalino, o mestre que colocou a região na rota internacional da arte figurativa; suas histórias são tão variadas quanto a (agradável) prosa sem fim de personagens históricos como o Mestre Eudócio, considerado Patrimônio vivo de Pernambuco; e seu ritmo é tão alucinado quanto a poesia de cordel ou o duelo dos antigos repentistas da feira mais famosa do Brasil.


Que fique bem claro desde o início: o centro dessa cidade de pouco mais de 300 mil habitantes oferece poucos atrativos turísticos fora da época da Semana Santa e do famoso São João. No entanto, um mergulho em suas manifestações culturais faz do destino uma das mais interessantes e ricas viagens em todo o Estado. E avisem logo os desinformados: opções não devem faltar.


Garantida durante todo o ano, a atração mais famosa é a Feira de Caruaru, considerada uma das maiores feiras ao ar livre do Brasil. Iniciado no final do século 18, esse tradicional centro comercial abriga, atualmente, 13 feiras temáticas em seu interior com uma variedade de produtos que impressiona. Assim como descreveu o mesmo cordelista Luciano Dionízio, "o que buscaste e não viste, com certeza não existe, nem na Terra nem em Marte". Por isso é lá que o visitante encontrará diversas opções de trabalhos artesanais, roupas e acessórios, animais, alimentos, importados e até um museu dedicado a mais internacional das literaturas regionais: o cordel.



Outro evento de peso é o famoso São João que com Campina Grande, na vizinha Paraíba, disputa o título de o Maior São João do Mundo. É em junho que toda a cidade se transforma em um imenso arraial com vilas cenográficas inteiras dedicadas ao forró e com barracas de comida típica. E mesmo depois do final desse evento que chega a durar pouco mais de um mês, a cidade parece passar o restante do ano sob a sombra e perspectivas do São João seguinte.



No entanto, a apenas sete quilômetros do caos do centro de Caruaru, a tranquilidade de Alto do Moura, um bairro vizinho com ares de cidadezinha do agreste, leva o visitante a um cenário em que o principal atrativo é uma rua central de paralelepípedos que parece ter parado na época em que Mestre Vitalino sujava as mãos de barro para dar vida a essa arte que, décadas mais tardes, levaria seu nome e o de Pernambuco para o resto do mundo.



Aliás seu ofício parece vivo em cada uma daquelas casinhas simples e coloridas que abrigam ateliês de artistas (famosos ou anônimos) que têm Vitalino como a principal inspiração. É ali que o visitante se delicia com as histórias ouvidas nos ateliês de outros nomes, internacionalmente, conhecidos como Marliete Rodrigues, Mestre Galdino (e seu surrealismo improvável para terras agrestes) e Manuel Eudócio, declarado Patrimônio Vivo do Pernambuco pelo governo local e um exímio contador de deliciosas histórias sobre a época em que começava a aprender sobre arte figurativa com o mestre mais famoso do bairro.



A arte figurativa de Mestre Vitalino, marcada por bonecos de barro que reproduzem cenas cotidianas, deu ao lugar o título de maior centro de artes figurativas das Américas. A região abriga ateliês de mais de 200 artesãos e histórias suficientes para convencer o forasteiro a deixar-se ficar por mais alguns dias.



Em Caruaru, viajante apressado come cru ou sequer tem a chance de provar uma das mais deliciosas imersões culturais da região.

NO UOL

Folha Online Turismo


Ecoviagem



INFORMAÇÕES E SERVIÇO

Site de Pernambuco - www.pe.gov.br


Prefeitura de Caruaru - www.caruaru.pe.gov.br


Informações Turísticas

Fundação de Cultura e Turismo de Caruaru - Praça Coronel José de Vasconcelos, 100, tel. (81) 3723-4010. De seg. a sex. das 8h às 13h.


DDD de Caruaru - 81



Internet - A conexão em Caruaru é lenta e instável. Por isso tente usar os serviços oferecidos nos próprios hotéis. Alguns bairros da cidade contam com sinal Wi-Fi gratuito, como Indianópolis, Maurício de Nassau, Petrópolis e o Centro.



Clima - Locais e visitantes parecem ter atenções voltadas para Caruaru apenas durante a festa de São João que ocorre na cidade em junho. Porém é nessa mesma época que a cidade registra maior número de dias chuvosos, cuja temporada vai de abril a agosto. No verão, os dias costumam ser extremamente quentes e abafados, por isso quartos de hotel e automóvel com ar-condicionado são itens básicos de sobrevivência.



Horário - Pernambuco não adianta seu relógio, por isso está uma hora atrasado durante o horário de verão brasileiro.



Horário comercial - O comércio local costuma funcionar das 8h às 18h, de seg. a sex; e das 8h às 13h, aos sábados. Porém esses horários podem ser ampliados durante as festas de São João. Já os bancos abrem das 10h às 15h, de seg. a sex.

Engolido do Uol

Vi o Mundo - Aninha "A Justiceira" Zortea

por Conceição Lemes
Definitivamente, entrou para o  lixo da história a carta aberta do ex-deputado José Carlos Aleluia à Universidade de Coimbra contra a concessão do título de doutor honoris causa ao ex-presidente Lula. Demonstração inequívoca de mesquinhez, dor-de-cotovelo, inveja.  Preconceito de classe explícito.
Recebeu repúdio quase unânime dos leitores do Viomundo. Com certeza um dos posts mais comentados de 2011: 425 comentários.  Entre eles, este:
Tudo isso dito por uma menina de 10 anos!? Como teria vindo parar no Viomundo?! Quem sugeriu?! O que estava fazendo por aqui?!  Foram questões que me vieram à cabeça nos segundos em que li e aprovei o comentário de Ana Giulia Zortea.  Eu e muitos leitores ficamos embasbacados. Babando, mesmo!
Acompanhavam o seu login duas informações apenas visíveis para nós: e-mail pessoal e o link de um blog  chamado Meu Pai Morreu no Vôo 477, e Agora?!!?.
Imediatamente acessei. O blog é da própria Ana Giulia. Seu pai, Luigi Zortea, é uma das 228 vítimas do vôo AF 447, da Air France, que, em 31 de maio de 2009, caiu no oceano Atlântico quando fazia o trajeto Rio-Paris. Morava na Itália, era prefeito da cidade de Canal San Bovo.
Vi a carinha dela, li seu perfil, os textos publicados.
Mandei-lhe um e-mail, contando do nosso encantamento. Ainda brinquei: Tem certeza de que você tem 10 anos!? Não é um 1º de abril (a carta do Aleluia foi postada no dia 31 de março)!?
A resposta, toda carinhosa, veio bem-humorada: Pelo menos até maio terei 10 anos (rsrs). Ela faz aniversário no dia 4.
Contei que gostaria de entrevistá-la, mas que precisaria conversar antes com a mãe, para pedir autorização. Preveni que, por cautela, mostraria a matéria antes de publicar. O que fiz hoje antes de postar esta reportagem. Ângela, gentilíssima, consentiu. Atualmente, depois de trocar alguns e-mails com Angela, acho que Ana Giulia puxou muito à mãe: firme, corajosa, rápida no raciocínio.
“Que nada! A minha menininha se parece mais com o pai. Adora política como ele”, desconversa Ângela. “A minha mãe  [dona Avelina] chama-a de ‘a justiceira’.”
Sem papas na língua, dá uma alegria imensa conversar com a Aninha (é como amigas, amigos, familiares mais a chamam). Figuraça. Por isso, sugiro que ouçam o áudio dos quatro blocos em que dividi a nossa entrevista.  No final, vão entender por quê.
Para começar, Ana Giulia por Ana Guilia (“uma menina como todas as outras…”), como ela veio parar no Viomundo ( “minha amiga do Facebook, me mandou o link do site, eu entrei no site”) e o descompostura em Aleluia por conta da famigerada carta aberta (“não foi nada legal o que ele falou sobre o Lula…”).
Luigi Zortea é um dos 178 corpos ainda não resgatados do mar. Ele morreu poucos dias depois de Ana Giulia completar 9 anos. Tem um irmão, o Gustavo, de 18 anos, que “até hoje não consegue acreditar no que aconteceu”.
A dor da perda levou-a a criar, este ano, o seu blog ( “foi um pouco para denunciar o pouco caso com que a empresa Air France trata as famílias”). Está muito indignada com comportamento da companhia aérea  quanto ao resgate dor corpos (“…se não iriam resgatar, não tinham como, que não avisassem para que não ficássemos nenhum pouco mais tristes…”) .
Ana Giulia mora na Zona Sul do Rio de Janeiro. Além de inteligente, linda, graciosa,  é preocupada com questões sociais. “Quando  vou pra escola, eu vejo na rua aquelas pessoas dormindo em papelão, fico muito triste…Eu saindo da minha cama quentinha, e elas ali no chão!!!”, me disse num dos meus telefonemas.
Na nossa entrevista, ela explica: “Eu já era uma criança que se preocupava com o mundo, com tudo o que acontecia, mas depois do acidente eu comecei a me preocupar mais ainda… é como se eu tivesse crescido, virado adulta no momento do acidente”.
Ana Giulia é flamengista roxa. Adora nadar (“é o que eu mais gosto de fazer”). Começou com 4 anos, por vontade própria, ao acompanhar o irmão, que fazia natação devido à asma. Entusiasmada, pediu à mãe para praticar também. Hoje é a campeã sul-brasileira nos nados 50 peito, 50 costas, 100 e 200 medley  pela Confederação Aquática Catarinense, onde nadava pelo colégio Marista até vir este ano para o Rio de Janeiro. Atualmente, nada pelo Flamengo, claro!
Adora ainda ler (“…é para a gente se manifestar também…”) e escrever (“…quando eu leio, eu fico muito feliz, porque aprendo palavras novas, e com essas palavras eu aprendo a viver um pouco mais…”).
Para encerrar a nossa entrevista, propus à Ana  Giulia que enviasse recados a quem quisesse.
O primeiro, evidentemente, foi para o Alelulia ( “…ele não teria direito de falar qualquer coisa do presidente [Lula], que representou o nosso país, pagou as dívidas que o Brasil estava devendo para outros países”…).
Ana Giulia defende o Bolsa Família e é fã, mesmo, do ex-presidente. “Se tivesse 16 anos e Lula se candidatasse, de novo, a presidente da República, com certeza, votaria nele”, confidenciou-me em outra conversa por telefone.
O segundo recado foi a Air France. O terceiro, para os leitores do Viomundo: “Eu continuei acessando o site, porque a informação é verdadeira e limpa”.
Bem-vinda, querida Aninha. É um privilégio tê-la como leitora. Obrigadíssima por existir e ser tão crítica. Aprendi muito. BEIJÃO, como você costuma me escrever nos seus e-mails.

Engolido do Excelente Blog Vi o Mundo

Opinião dO Cachete:
Uma criança de 10 anos conseguiu entender o que imbecis como o José Carlos Aleluia e o leitor do Blog Shami "The Shame" não conseguem. Aninha, o Brasil precisa de mais justiceiras iguais a você. Obrigado por existir! Eu tenho certeza que seu pai está muito feliz e orgulhoso pela maravilhosa filha que tem. Que Deus continue te iluminando e dando paz e conforto a você e sua família! BEIJÃO para você também!

Protesto em Goiania Contra o Preço da Gasolina

video

Um Protesto Interessante

Nós já tratamos deste assunto aqui e sabemos o motivo do aumento dos preços da gasolina. Mas que o protesto é interessante, é!

Dilma Retalia OEA por Belo Monte e Suspende Recursos

"Ó o auê aí, OEA!"

País deixará Comissão de Direitos Humanos e não vai repassar US$ 800 mil em resposta a pedido de suspensão de obras

Brasil já havia suspendido indicação de Paulo Vanucchi para comissão e convocado representante na OEA

DE BRASÍLIA

O governo brasileiro decidiu jogar duro com a Comissão Interamericana de Direitos Humanos da OEA (Organização dos Estados Americanos): deixará o órgão a partir de 2012 e suspendeu, por ordem presidente Dilma Rousseff, o repasse de verba à entidade previsto para este ano, de US$ 800 mil.

A reação do Brasil veio após a comissão pedir, em abril, a interrupção das obras de Belo Monte. O órgão alegou irregularidades no processo de licenciamento ambiental da hidrelétrica de Belo Monte, atendendo a uma medida cautelar de entidades indígenas que questionaram o empreendimento.

Como reação à época, a diplomacia brasileira usou termos fortes e pouco usuais. Chamou a decisão de "precipitada e injustificável" e alegou não ter tido tempo suficiente para se defender.

Irritada com o que considerou interferência indevida, Dilma quis mostrar um posicionamento ainda mais duro: convocou de volta ao país o representante do Brasil na OEA, embaixador Ruy Casaes. Ele, até agora, ainda não recebeu autorização para retomar seu posto em Washington, tampouco sabe quando o terá.

A comissão integra o sistema interamericano de direitos humanos nas Américas. Embora ligada à OEA, é um órgão formalmente independente; não representa países, embora a indicação venha deles. Seus sete membros, entre eles o brasileiro Paulo Sérgio Pinheiro, são eleitos por assembleia-geral.

O Brasil havia apresentado o nome de Paulo Vanucchi, ex-ministro da Secretaria de Direitos Humanos no governo Lula, para substituir Pinheiro a partir de janeiro de 2012. A indicação, porém, acabou suspensa em caráter irrevogável.

A relação pode piorar ainda mais. Isso porque a comissão passou a analisar uma nova reclamação de ONGs, que contestam obras no Rio para a Copa-2014 e Olimpíada-2016, eventos caros a Dilma. Quando soube do novo processo, Dilma mandou um recado às lideranças do órgão: se isso for levado adiante, levará o caso à própria OEA, dando contornos de crise real ao caso.

No caso de Belo Monte, o Brasil argumenta que a CIDH concedeu apenas 28 dias para que o governo se explicasse, quando o prazo médio de solicitações semelhantes supera a marca de 100 dias.

Nessa semana, o governo enviou à entidade um relatório de 52 páginas explicando sua atuação no empreendimento junto às comunidades locais. Disse ter ouvido as comunidades indígenas da região e que está atento aos efeitos sociais e ambientais da iniciativa.

(NATUZA NERY) - Folha de São Paulo

Opinião dO Cachete:
Com o Brasil, agora, o buraco é mais embaixo! Acabou a fase de ser "boizinho de presépio" e só dizer sim.  "Tô cansado de apanhar. Tá na hora de bater" - Gabriel, o Pensador.

Riocentro - Uma Eterna Chaga Aberta


O Terrorista Morto
Riocentro

Uma pesquisa excelente!

sexta-feira, 29 de abril de 2011

Seção "Que Porra é Essa?" - De Novo!


Deixa Jesus em Paz! Dá-lhe, Tião!

Engolido do Blog Kibe Loco

Pense Nisso!


Poupe um pouco para sempre ser independente financeiramente.
Não precisa ser muito, não comprometa o prazer que o dinheiro pode lhe dar em razão de um tempo maior de velhice, que pode até não acontecer, se você morrer breve. Além disso, um idoso não consome muito além do plano de saúde e dos remédios.
Provavelmente, você já tem tudo e mais coisas só lhe darão trabalho.
Pare também de se preocupar com a situação financeira de filhos e netos, não se sinta culpado em gastar consigo mesmo o que é seu de direito. Provavelmente, você já lhes ofereceu o que foi possível na infância e juventude, assim como uma boa educação.
Portanto, a responsabilidade agora é deles.
Não seja arrimo de família, seja um pouco egoísta, mas não usurário.
Tenha uma vida saudável, sem grandes esforços físicos. Faça ginástica moderada, alimente-se bem, mas sem exagero. Tenha a sua própria condução, até quando não houver perigo. Nada de estresse por pouca coisa. Na vida tudo passa, sejam os bons momentos que devem ser curtidos, sejam os ruins que devem ser rapidamente esquecidos.
Namore sempre, independente da idade, com sua "velha/o" companheira/o de caminhada. O amor verdadeiro rejuvenesce. Nada de ser muito moderno, tente ser eterno.
Leia livros e jornais, ouça rádio, veja bons programas na TV, acesse a internet, mande e responda e-mails, ligue para os amigos. Mantenha-se sempre atualizado sobre tudo. Respeite a opinião dos jovens, eles podem até estar errados, mas devem ser respeitados.
Não use jamais a expressão "no meu tempo", pois o seu tempo é hoje.
Seja o dono da sua casa por mais simples que ela possa ser, pelo menos lá você é quem manda. Não caia na besteira de morar com filhos, netos, ou seja lá o que for.
Não seja hóspede, só tome esta decisão quando não der mais e o fim estiver bem próximo.
Você está no período do ronco e da flatulência. Um bom asilo também não deve ser descartado e pode até ser bem divertido, e você irá conviver com a turma da sua geração e não dará trabalho a ninguém.
Cultive um "hobby", seja caminhar, cozinhar, pescar, dançar, criar gato, cachorro, cuidar de plantas, jogar baralho, golfe, velejar ou colecionar algo. Faça o que gosta e o que os seus recursos permitam. Viaje sempre que possível, de preferência, vá de excursão, pois além de mais acessível, pode ser financiada e é uma ótima oportunidade para se conhecer novas pessoas. Aceite todos os convites de batizado, formatura, casamento, missa de sétimo dia, o importante é sair de casa.
Fale pouco e ouça mais, a sua vida e o seu passado só interessam a você mesmo. Se alguém lhe perguntar sobre esses assuntos, seja sucinto e procure falar coisas boas e engraçadas. Jamais se lamente de algo.
Fale baixo, seja gentil e educado, não critique nada, aceite a situação como ela é. As dores e as doenças estarão sempre presentes; não as torne mais problemáticas do que são falando sobre elas. Tente sublimá-las, afinal, elas afetam somente a você e são problemas seus e dos seus médicos.
Ria, ria muito, ria de tudo, você é um felizardo, você teve uma vida, uma vida longa .
Se alguém disser que você nunca fez nada de importante, não ligue.
O mais importante já foi feito: Você!

Desconheço o autor. Circulando pela WEB

Uma excelente sexta feira para todos!

Newton Cruz e o Atentado do Riocentro

video


Me causa repulsa! 

A Bomba do Riocentro e a Farsa dos Militares Brasileiros

Mililtares "patriotas" fracassam em matar inocentes, num show de música popular no Rio Centro. Havia no Riocentro uma multidão de 18.000 pessoas, assistindo a um show artístico em homenagem ao Dia do Trabalhador. No momento da eclosão - 21 h20m - cantava Elba Ramalho.

Inquérito Policial-Militar do Caso Riocentro Volume 01
STM Superior Tribunal Militar – a Farsa
PDF 7,00 MB 

Inquérito Policial-Militar do Caso Riocentro Volume 02
STM Superior Tribunal Militar – a Farsa
PDF 7,37 MB 

Inquérito Policial-Militar do Caso Riocentro Volume 03
STM Superior Tribunal Militar – a Farsa
PDF 7,07 MB 

Inquérito Policial-Militar do Caso Riocentro Volume 04
STM Superior Tribunal Militar – a Farsa
PDF 9,58 MB


Bombas no Riocentro, Para não esquecer

Vimos que no caso Parasar se planejaram ações criminosas cuja execução previa atentados a bomba e outras práticas terroristas que "propiciariam um clima de pânico e histeria coletiva", consoante as palavras do Brigadeiro Eduardo Gomes. Assim, toda vez que se fala no plano macabro de Bumier há que se lembrar da bomba explodida no Riocentro, ampla área de estacionamento na Tijuca, no Rio. A explosão ocorreu dentro de um automóvel puma, na noite de 30 de abril de 1981, com a bomba no colo do Sargento do Exército Guilherme Pereira do Rosário, cuja morte foi instantânea. Ao lado do sargento, no volante, estava o Capitão Wilson Luiz Chaves Machado, o qual, ato contínuo, sai do Puma segurando vísceras à altura do estômago.
Havia no Riocentro uma multidão de 18.000 pessoas, assistindo a um show artístico em homenagem ao Dia do Trabalhador. No momento da eclosão - 21 h20m - cantava Elba Ramalho.
Somente, pois, não aconteceram o pânico e a histeria coletivos porque o explosivo estourou no colo do sargento. O plano visava exatamente a multidão. Tanto que uma segunda bomba explodiu alguns minutos depois na casa de força do Riocentro. Sua carga não foi suficiente para afetar os dispositivos produtores da iluminação e o show continuou, sem o público ficar sabendo do que se passara. :É oportuno lembrar, a propósito, que os planos de Burnier, no caso Para-Sar, também incluíam destruição de instalações de força e luz.
Na tarde daquele dia o sargento e o capitão tinham sido vistos no restaurante Cabana da Serra, na estrada Grajaú -Jacarepaguá. Garçons suspeitaram tratar-se de assaltantes de bancos, porquanto estavam à paisana, armados e a examinar um mapa. Chamaram a polícia. Compareceram dois soldados da rádio-patrulha. Os estranhos identificaram-se como agentes da Polícia Federal. Em face disto os garçons apenas anotaram as chapas dos seus veículos, entre estes o Puma - placa OT-0279. O encontro, ali, do sargento e do capitão, viria depois a ser por este confirmado.
Guilherme e Wilson chegaram ao Riocentro faltando dois minutos para as 21 horas. O capitão pagou o bilhete de n.º 64.270 a fim de estacionar o seu carro. Às 21 h07m o comerciário João de Deus Ferreira Ramos estaciona seu Volkswagen ao lado direito do Puma chapa OT-0279 e cumprimenta seus dois ocupantes, mas nem o Sargento Rosário nem o Capitão Machado respondem. Ferreira Ramos diz ter certeza da hora exata porque já estava atrasado para o show e se confessa "um maníaco por horários". No final do show, estarrecido ao saber da explosão, ele contaria seu encontro com os dois militares. Nos dias seguintes, porém, o comerciário passaria a fugir da imprensa para não falar do caso. Mas acabou depondo.
Esse depoimento é importantíssimo porque revela que, no mínimo sete e no máximo doze minutos antes da explosão da bomba no colo do sargento, este e o capitão se encontravam no Puma, já que às 21 h15m/21 h20m, "o Capitão Wilson Luiz Chaves Machado liga o motor do seu automóvel, engata a marcha a ré e começa a sair da vaga onde estivera estacionado. Dentro do pavilhão de espetáculos, a cantora Elba Ramalho ainda não terminou seu número; distante dali, na bilheteria do estacionamento, Tenente César Wachulec está contrariado: além de ter sido afastado da chefia de segurança, ele constata que a Polícia Militar não enviou os soldados que havia solicitado. O pátio do estacionamento está despoliciado. O carro do Capitão Machado percorre poucos metros. Mal saiu da vaga e uma bomba explode em seu Interior" .
Aproximadamente vinte e cinco minutos depois, uma neta do Senador Tancredo Neves - Andréa Neves da Cunha, que acabara de chegar para o show, com seu noivo Sérgio Vali e - leva em seu carro o capitão para o hospital Lourenço Jorge. Mas os médicos preferem atendê-Io no Hospital Miguel Couto e o conduzem para ali. Apesar da gravidade dos ferimentos o capitão escapa.

Fonte: CMI Brasil

Engolido do Blog DHNet

quinta-feira, 28 de abril de 2011

Comissão da Verdade, Já!


Comissão da Verdade... Já!

Lembram do Yves Gandra??? Passou para o lado de lá faz tempo...

Cientista Político Defende o Fim da Monarquia


O Milênio (GloboNews) entrevistou Graham Smith a 200 metros da Torre de Londres onde, anos atrás, ele poderia ser levado ao cadafalso e decapitado por causa da militância antimonarquista que pratica. Smith dirige o grupo Republic, o mais ativo na oposição à existência de uma família real, em que o soberano de plantão (a Rainha Elizabeth II no momento) exerce as funções de chefe de Estado, sem ter sido eleito.


Opinião dO Cachete:
Concordo plenamente!

Enchi o Saco! Não Aguento Mais!


Rico Parasita ri de tudo...

Não aguento mais ouvir falar sobre o casamento do Príncipe (para as gatas dele) William com Kate Middleton. É uma babação insurpotável. Hoje o Prícipe Willian fez isso, depois fez aquilo. Parem! Isso é um saco! Gente, Jornais, Televisões, Rádios... só falam nesta porcaria!
O casamento de um representante de uma secular família parasita do povo inglês, que vive da grana do povo, que vai pagar um casamento de 50 milhões de euros! Tem gente passando dificuldades na Inglaterra por causa da crise mundial de 2009, ainda! E os súditos da Rainha, bancando a farra...

Como disse José Simão: "Se Diana se transformou em Lady Di, a Kate será a Lady Kate?". Sim, mas "quem está pagando" é o povo inglês! É uma Zorra Total!

Monarquia... Blah! Pelo menos no Brasil nós podemos trocar os parasitas a cada 4 anos...

Entenda a Dívida Interna e Livre-se de uma Meia Verdade


ENTENDA A DÍVIDA INTERNA
COMO A DÍVIDA INTERNA DOBROU DURANTE O PLANO REAL
Fábio Pereira (Mestre em Finanças Públicas pela Fundação Getúlio Vargas)

A dívida pública é a soma de tudo aquilo que todos os órgãos do Estado brasileiro devem, incluindo o governo federal, estados, municípios e empresas estatais. Mas como o setor público é também um grande credor, tanto de outros órgãos públicos quanto de entidades privadas, o conceito de dívida líquida traduz mais claramente a posição financeira do setor público. Trata-se simplesmente de abater, do total das débitos, o total dos créditos realizáveis.
A divisão mais comum quando se fala de dívida pública é entre a dívida interna, que pode ser paga em moeda nacional, e a dívida externa, que deve ser paga em moeda estrangeira. As duas têm causas e conseqüências distintas, embora possam ter implicações uma sobre a outra.

ORIGENS DA DÍVIDA PÚBLICA INTERNA
A dívida pública interna possui três origens principais: o financiamento de novos gastos públicos em bens e serviços ( despesas com educação, construção de novas obras etc.) em qualquer nível de governo ou entidade pública, os gastos com juros sobre as dívidas contraídas no período anterior e, no caso do governo central, a política monetária e cambial.
No Brasil nos anos recentes, principalmente depois do Plano Real, a dívida pública externa diminuiu, se expressa como percentual do PIB, mas houve um crescimento enorme da dívida pública interna, principalmente do governo federal. O fator que mais impulsionou esse crescimento não foram novos investimentos públicos, mas sim as taxas de juros e os custos da política monetária e cambial.

COMO A DÍVIDA INTERNA CRESCEU
O crescimento da dívida interna se deu principalmente porque, com o real sobrevalorizado, o Brasil começou a ter grandes déficits na sua balança comercial e principalmente nas chamadas transações correntes com os outros países, que incluem também os juros e serviços e as remessas de lucros para o exterior. Para equilibrar as contas, o país tinha que atrair capitais externos de curto prazo oferendo taxas de juros altíssimas. A entrada desses capitais contribuíam para valorização adicional do real frente ao dólar.
Assim criou-se um círculo vicioso que fez a dívida pública interna líquida sair de 20,7% do PIB em 1994 e chegar a quase 40% do PIB, ou cerca de 400 bilhões de reais, no final de 1999. Somente o custo de acumulação de Reservas Internacionais no Banco Central pode ser estimado em até 76 bilhões de reais, dependendo dos parâmetros utilizados (Considerando-se nesse caso todo o diferencial de juros entre o rendimento das reservas e a taxa de juros básica do Banco Central). O total gasto com juros ultrapassou os 250 bilhões de reais nos seis anos entre 1994 e 1999.
Essa política de juros altos também teve efeitos desastrosos sobre as finanças públicas estaduais e municipais. Como boa parte das dívidas desses governos estava contratada com taxas de juros flutuantes, e que chegaram a mais de 33% ao ano em termos reais em 1995, houve uma explosão dessas dívidas. Foi o caso da dívida de estados como São Paulo e Rio Grande do Sul, forçados depois a renegociá-las em termos altamente desfavoráveis aos seus interesses.
O crescimento da dívida interna não ocorreu devido ao excesso de gastos com funcionalismo, previdência social ou com outros gastos em educação, saúde etc., como tenta fazer crer o governo FHC e os profetas do neoliberalismo. Na verdade, durante os seis anos do Plano Real o chamado resultado primário - diferença entre receitas e despesas, excluídos os gastos financeiros - foi positivo na média desse período. Ou seja, houve superávit primário, e não déficit.
Uma parte também expressiva da dívida foi acumulada em outras despesas decorrentes da política monetária e cambial praticada nesse período, bem como da disposição do governo de proteger a todo custo os interesses do grande capital financeiro. Uma dessas fontes foi o Proer. Depois de negar, contra todas as evidências, que o Proer teria um elevado custo fiscal, o último balanço do Banco Central foi obrigado a reconhecer um prejuízo já realizado de mais de 13 bilhões de reais, valor esse incorporado à dívida interna.

DÍVIDA INTERNA E A POLÍTICA ECONÔMICA DO GOVERNO FHC
Além dessas implicações imediatas no crescimento da dívida interna, a política econômica do governo FHC também produziu um grande salto na dívida interna por ocasião da desvalorização cambial de janeiro de 1999. Depois de gastar bilhões de reais tentando defender uma taxa de câmbio completamente artificial, o Banco Central tinha também vendido dezenas de bilhões de reais em títulos públicos com garantia de correção pela variação cambial. Quando veio a desvalorização, de aproximadamente 50%, mais de 30 bilhões de reais foram adicionados à dívida interna, e embolsados pelos bancos que vinham apostando contra a política cambial.



DÍVIDA INTERNA E PRIVATIZAÇÕES
O mais grave de todo esse quadro é que esse gigantesco aumento da dívida pública brasileira se deu no mesmo período em que foram vendidas empresas estatais federais e estaduais no valor de mais de 60 bilhões de dólares, sem incluir as vendas do ano de 1999. Além da explosão do endividamento, grande parte do patrimônio público foi vendida. O estado brasileiro se tornou duplamente mais pobre: aumentou os passivos e diminuiu os ativos. Encontra-se naquela situação da família que se endivida, vende seu patrimônio para pagar a dívida e ainda assim a dívida aumenta.

Mas se o estado se encontra mais pobre, é da natureza da dívida pública interna que setores privados se encontrem mais ricos. E estes setores são os detentores do capital financeiro, que receberam os juros de agiota pagos durante todo esse período, detém os títulos públicos representativos da dívida e ainda compraram uma grande parte das estatais, liquidadas para garantir o pagamento a eles mesmos.


O ACORDO COM O FMI E A DIVIDA INTERNA
O acordo assinado entre o Brasil e o FMI busca assegurar, além da continuidade do envio de recursos ao exterior para o pagamento da dívida externa, a viabilidade do pagamento dos juros da dívida pública interna aos grandes bancos e capitalistas nacionais. O ajuste fiscal, sob a ótica do FMI e de FHC, significa cortar dos orçamentos todos os gastos necessários à continuidade do pagamento das dívidas.
Esse é também o espírito dos acordos de refinanciamento das dívidas com os estados e municípios e da Lei de Responsabilidade Fiscal recentemente aprovada. O Ministério da Fazenda passa a atuar, na relação com os estados e municípios, como a direção do FMI no acordo entre o Fundo e o Brasil: é o responsável pela fiscalização do cumprimento das metas, que visam assegurar a tranqüilidade daqueles que, depois de receber rios de dinheiro como pagamento de juros nos últimos anos, se sentiam ameaçados pela situação pré falimentar em que se encontram esses governos.



Engolido do Site do CEFETSP

Opinião dO Cachete:
Este texto foi postado para esclarecer algumas pessoas sobre o aumento da dívida interna e rebater as meias verdades que estão sendo disseminadas por um e-mail anônimo sobre a responsabilidade do aumento desta dívida e outras bobagens (Aqui e Aqui!).

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...

"Com o tempo, uma imprensa cínica, mercenária, demagógica e corrupta formará um público tão vil quanto ela mesma."
(Joseph Pulitzer)